domingo, 22 de abril de 2018

A minha cor preferida



Sei que me repito, mais ainda assim insisto - o vermelho é uma cor poderosa que tonifica qualquer visual e anima os dias tristonhos.
Uso e abuso e, mesmo em criança, quando o rosa é, por norma,  a cor das meninas, eu transgredia e escolhia vermelho.
Não quero com isto dizer que me considere pessoa com gostos apontados para tonalidades berrantes, porque a par com esta cor, adoro preto e idolatro o branco, sendo que a conjugação das três produz, de acordo com o meu gosto, combinações muito felizes.


Camisola/blusa de malha com calças pied de poule preto e branco

O casaco comprido é muito antigo, mas continuo a gostar dele. Está novo porque o tecido fino exige dias com temperaturas médias, nem muito altas nem muito baixas.
Acho que este ano o usei apenas 3 ou 4 vezes

A blusa/camisola faz conjunto com um casaco

... e o lenço - o eterno lenço ... - completa o conjunto

O cinto com duas fivelas veio da Zara

Acho que consegui provar o meu ponto de vista.

Ontem, dia quente com temperaturas acima dos 20 graus, repeti o esquema:



Desta vez com camisa de algodão

 ... conjugada com calças brancas 

Passeei  por Cerveira e segui para Eiras onde almocei no Lagar (sempre fantástico! Aliás, acho até que, com o passar dos anos, ganha qualidades e se torna melhor, como o Vinho do Porto!)



Enquanto se espera, o Miguel oferece um mimo!


As previsões meteorológicas indicavam que choveria, mas não, não choveu ...


Passeei confortavelmente sem casaco ...

A primeira vez, este ano




A seguir ao vermelho  vêm os beges, totais ou combinados com branco, com safaris, e, de vez em quando, com azul marinho.


Este entra também frequentemente nas minhas opções conjugado com branco e/ou apontamentos de amarelo.

Foi a opção para hoje, para uma caminhada à beira mar, com parka branca, jeans em azul e branco e uma pincelada colorida na carteira/mala/bolsa.  Esta foi comprada numa feira de rua em Itália e custou quase nada.
Gosto dela pelo toque alegre, embora tenha o enorme defeito de não comportar quase nada - até o telefone tem que se transportado no bolso!


Chegada ao destino, junto ao mar, foi só despir a parka, guardar a carteira/mala/bolsa e seguir, numa caminhada de 1 hora, no meio de uma multidão que, como eu, ansiava por sol e ar puro.




Antes, tempo para um café ...

... e detalhes coloridos (vermelhos!) que tonificaram o conjunto.


Daqui se depreende que me é difícil ou mesmo impossível, falar de uma cor favorita.
As cores valem pelo conjunto, pela conjugação, pelos modelos.
Mesmo na decoração, dando preferência às tonalidades básicas, claras, neutras, arrisco frequentemente em apontamentos coloridos.
Lá está - depende, depende muitos fatores. Depende até do estado de espírito!

Bom domingo.

Beijo
Nina

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Primavera!




Chegou a Primavera !
De repente, sem que ninguém suspeitasse, chegou.
Hoje tivemos 27 graus e quase morri de calor.

Há que programar o espírito para dias de sol quente.
Há que arrumar casacos e camisolas e cachecóis  e botas e gabardines.
Há que arrumar o tricô! (snif!!!!)

Há que pensar em modo Primavera.
Ainda não Verão.
Ainda com manhãs e fins de tarde frios.
E investir e desenvolver a técnica da "cebola", a tal da roupa em camadas.

AQUI encontrei 50 sugestões, algumas de estarrecer de tão horríveis, outras, lindas, como as que aqui deixo:



off-the-shoulder top + jeans | street style idea
Jeans, agora e sempre!
Quando não souberes o que vestir, veste jeans.



casual look - white accents + denim
Branco, muito branco!
Também com jeans!
Sem erro.


grey + pink accents - casual girly outfit
Nos dias mais frios, um cachecol sabe bem, porque o (lindo) blusão de couro pode não bastar.
 Combinar a cor com os ténis parece-me muito bem.
Vestido ou saia de malha, adoro.




such a girly look!
Primaveril, mas lady!
Os sapatos são lindos, mas a ideia de caminhar com eles causa-me calafrios.



high waist camel + white shirt | keeping it simple
Camel nas calças, branco na camisa de linho - não falha!



Navy + blush floral | spring basics
Acho a blusa linda. mas, se fosse eu, combinaria com calças brancas.




studded fringed leather jacket + jeans | street style obsession
Jeans cinza ( antracite?), botins e blusão de couro - simplesmente perfeito.





lazy day outfit | denim + white blazer
Branco de novo. Com jeans desbotados e ténis - liiiindo!


nude accents | street style
Bege e branco, um dos meus casamentos preferidos.



Friday feeling / stripes + high waist denim
Um clássico - camisa de riscas com jeans.
Gosto dos fios fininhos e do relógio.
Gosto de tudo!

Feliz Primavera!
Inspirem-se!
Toca a escolher roupinha mais fresca, mais clara, mais primaveril.


Beijo
Nina




domingo, 15 de abril de 2018

Não apenas rosas!


Não apenas rosas!
Não!
Como tudo na vida, também tricotar tem os seus (às vezes, muitos) espinhos.
Devem ser assumidos com calma e , convem estar preparado para esta inevitabilidade.
É tudo.

Eu conto:
Tinha a camisola / blusa rosa pronta  - costuras feitas, mangas pregadas! Faltava apenas o remate no decote. Coisa pouca.
Decidira que não faria gola. Apenas meia dúzia de carreiras para remate.
Só que o resultado ficou muito para lá de insatisfatório, ficou péssimo, inaceitável.
Que fazer então?




Desfazer, desfazer sem dó nem piedade ...

... descoser e continuar a desfazer.
Depois, (re)apanhar as malhas, (re) desenhar o decote, (re) fazer até ficar satisfatório.

Confesso que estes incidentes são quase dolorosos, mas ... o que não tem remédio, remediado está!
Decisão tomada e tarefa executada, - o que me exigiu imenso tempo, para que ao desfazer não ocorresse cortar o fio errado - FINALMENTE ficou pronta:


Gosto!
Valeu todos os pontos feitos, desfeitos e refeitos 

Resolvi combinar com cinza (again!) e pareceu-me mesmo bem:





Não há dúvida que a prática conduz à perfeição - disso não tenho a menor dúvida.
No caso, conclui que o canelado clássico (1/1 ou 2/2)  valoriza a peça, muito mais do que estas voltas em meia com que iniciei a camisola/blusa.

Conclui ainda que usar uma agulha com numeração menor nesse mesmo canelado, produz efeitos estéticos mais agradáveis.

A terceira conclusão prende-se com a execução de decote (à frente) se as cavas são em raglan - na minha opinião não funciona. Esse decote prejudica muito mais do que valoriza. Portanto, com cavas raglan pode-se perfeitamente esquecer o decote.

É possível que quem for expert na matéria discorde das minhas conclusões. Sintam-se à vontade para discordar!
Limito-me a dar o testemunho da minha experiência.

E se - repetindo - no tricô nem tudo são rosas, ainda assim é a atividade manual mais deliciosa, mais empolgante que conheço.

Bom domingo!

Beijo
Nina

quarta-feira, 11 de abril de 2018

A história desta camisola / blusa

Esta camisola / blusa, muito quente e confortável, tem história, sim!
 Não se vá agora pensar que surgiu do nada, fruto de uma qualquer compra, que não!
Comprado, apenas o fio com que foi tricotada e, mesmo esse, não foi coisa simples.
É que a cor principal, o cinza, esse jazia numa gaveta esperando a sua oportunidade de ver a luz do dia, mas ... era pouco, escasso em quantidade - disso tinha a certeza.
Só teria viabilidade se combinado com outra cor - decidi-me pelo amarelo e pelas riscas de que sou fã incondicional - adoro riscas!




Seguindo o modelo de sempre - mangas raglan e gola alta - dei andamento ao projeto. Só que, desta vez, o resultado final não me agradou.


Desmanchei!
Sem dó nem piedade, desmanchei a gola e pretendia retirar os punhos que tricotara em amarelo, escolha que se revelou infeliz.


Que fazer?
Como fazer?

Bem sei que sou corajosa, mas desmanchar a totalidade das mangas arrepiava-me.
Tentei outra abordagem:
-Puxei (puxei mesmo) um fio junto aos punhos, cortando a extremidade.
-O que aconteceu?
- O punho amarelão soltou-se da manga, sem qualquer problema.
Depois, foi só apanhar as malhas e (re)tricotar o punho, desta vez em cinza, apenas com um ligeiro apontamento amarelo, na extremidade.



Diminui também o tamanho da gola ...


... experimentei e gostei.


Aqui, mostro o leve apontamento amarelo que funciona a meu gosto.
Pronta!
Como eu queria.


A história desta camisola / blusa se algum interesse tem é o de demonstrar que é possível "fazer" coisas.
Sem medo, sem derrotas antecipadas, é possível, sim.
Só é preciso querer.
Porque, se eu faço, eu que nunca tive qualquer iniciação, qualquer ensinamento, - repito - se eu faço, qualquer pessoa faz.
Basta querer.

Beijo
Nina

terça-feira, 10 de abril de 2018

Culinária na net



Não sei se sou simplesmente azarada, se escolho mal, se reproduzo pior, o certo é que tenho tido grandes desaires com muitas das receitas que "pesco" na net. 
Ressalvo, evidentemente, os grandes sucessos, colhidos em terreno de toda a confiança e que só não discrimino para evitar a injustiça de omitir  quem merece ser nomeada.
Em resumo, há que ter a maior cautela em relação às sugestões gastronómicas.
 Acreditem que sim. 
Sei do que falo.
 E falo de um desastre recente que de tão mau até ficou cómico.
Adiante.

Eu, que tenho muita e frequente preguiça de perder tempo na cozinha, quando o faço, quero que cada minuto valha a pena.
É por isso que arrisco pouco - e ainda assim, arrisco mal, apostando no cavalo manco, como já referi.

Desastres esquecidos, concluo que em equipa vencedora não se mexe (até parece que "pesco" alguma coisa de futebol...) e, por isso, tenho receitas quase sagradas, de tão boas que são, ou de tão deliciosas que as acho.

É o caso deste bolo.
É maravilhoso!
Adoro-o!

Comi-o pela primeira vez em Frankfurt, na Alemanha, numas férias de Carnaval que lá passei. A duras penas consegui a receita que repito inúmeras vezes  sem medo, porque sempre resultou perfeito.
Como sou boa pessoa, partilho-a (afinal também, um dia, alguém a partilhou comigo).


BOLO DE CENOURA E NOZES

Ingredientes

300 g de cenouras
4 ovos
200 g de açúcar
1 saqueta de açúcar baunilhado
Raspa de 1/2 limão ou 1/2 laranja
Sumo de 1/2 limão ou de 1/2 laranja
300 g de nozes moídas
65 g de farinha
2 c. de chá de fermento
1 pitada de sal 
200 g de queijo creme
100 g de icing sugar






- Ligar o forno a 180 graus;
- Untar com manteiga e polvilhar com farinha uma forma redonda;
- Ralar as cenouras;
- Misturar as gemas + açúcar + açúcar baunilhado + raspa de limão /laranja + sumo de limão / laranja e bater muito bem;
- Adicionar as cenouras e bater novamente;
- Juntar as nozes + farinha + fermento e misturar novamente;
- Separadamente, bater as claras em castelo e, com uma espátula envolver no preparado, com suavidade, sem bater.
- Verter o preparado na forma e assar durante cerca de 45 minutos (fazendo o teste do palito).

Depois de desenformar, deixar arrefecer completamente.
Cobrir então com o queijo creme batido com  o icing sugar (este creme ganha sabor se se lhe juntar raspas de casca de limão ou de laranja)


Deve ser guardado no frio.
A cobertura impede o bolo de secar.

Este bolo serve perfeitamente como sobremesa ou para lanche.
Seja qual for a situação é excelente,  sempre delicioso, com uma textura leve que se desfaz na boca.
E não tem erro!

Beijo
Nina

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Vesti assim ...


Acho que sempre que acertamos com uma combinação, o certo seria fotografar, registar, não esquecer, para, deste modo evitar as patéticas situações de, face a um armário repleto, concluir, desconsoladamente:- Não sei o que vestir - ou, o que é ainda pior - Não tenho nada para vestir.

A combinação meia/estação , mas ainda assim quente, composta por casaco comprido cinza conjugado com branco, é um feliz e bem sucedido clássico.


O casaco é do Inverno passado e quase não o usei, ou porque estava demasiado frio, ou porque começava a fazer calor, ou porque chovia, ou porque não me ocorria.


Desta vez, porém, nem pensei.
Depois de percorrer as sugestões do Pinterest - essa maravilha!!!! - vesti calças brancas,
 sapatos cinza (príncipe de Galles) e camisola / blusa cinza


Foi uma escolha feliz.
Muito confortável, muito adequada a esta Primavera / Inverno,
 aligeirada com as calças brancas.



A camisola / blusa foi uma verdadeira conquista.
Tricotada segundo o método top/down veste como uma segunda pele
 e o facto de não ter costuras é uma mais-valia que muito me agrada.



Esta foi até ao momento a única camisola / blusa assim executada.
Atendendo a que o que mais me desagrada são as costuras,
não tardarei a repetir este modelo - ainda este ano, 
que dado este Inverno que teima em persistir,
tricotar continua sendo uma atividade dos deuses
- aliás acabei de me abastecer com novas e maravilhosas  lãs.

Tenham uma produtiva semana  de tricô.

Beijo
Nina

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Jeans brancos



Parece mesmo que a Primavera está a chegar. Hoje esteve tanto calor.

Saí de manhã usando saia bege, camisola de lã branca, casacão de malha em tons de castanho, branco e bege e nos pés, botas altas castanhas. Pareceu-me bem. (Se esquecer o facto de, a meio da manhã, ter entornado um café por mim abaixo ...)

Resolvido o acidente, continuei na minha atividade e fui retirando peças - primeiro o casacão, depois a camisola de lã  (tinha uma t-shirt por baixo) , até que comecei a "bufar". Que calor!
As botas apertavam-me as pernas como se de um (dois) gesso(s) se tratasse. Parecia que as minhas perninhas tinham dobrado de volume. Que horror! Só queria descalçar-me, o que se revelou absolutamente impossível.
Aguentei, que não tive outro remédio. Mas fiquei num estado de nervos próximo da loucura. A sério. Foi um tormento.

Só voltei ao meu normal em casa, sem camisola e sem botas. Um imenso alívio!

Temos portanto que se a lógica se mantiver teremos amanhã um fantástico dia de sol.


As cores consistem um dos elementos mais importantes de qualquer visual, são elas que revelam o humor...
No Pinterst encontrei este "boneco"

Do que mais gostei foi das calças e, quanto a isso, estou decidida - vestirei jeans brancos.
Posso combinar com cinza, mas nada de lãs e muito menos, nada de golas altas.
Nos pés, os botins agradam-me.
Quanto ao casaco comprido, tenho um absolutamente igual, sem forro, leve e confortável.
Parece-me muito bem.

Beijo
Nina